preloader
 Cecco della botte: Saiba como Chaves foi exibido na Itália

Cecco della botte: Saiba como Chaves foi exibido na Itália

Sucesso no Brasil desde 1984, quando estreou na TVS (que viria a ser o SBT), Chaves é um fenômeno cultural. Querido entre crianças e adultos de várias idades, o programa estreou, na verdade, em 1973, no Canal 8 do México, sendo transferido, posteriormente, para a Televisa, onde durou até janeiro de 1980. Mas ainda contou com quadros no programa Chespirito, cujo final definitivo foi em 1995.

Como sabemos, tanto no Brasil e em toda a América Latina, não só Chaves, como os outros personagens de Chespirito, como Chapolin, Chompiras (conhecido aqui como Chaveco), Dr. Chapatin ou o jornalista Vicente Chambón, fizeram grande sucesso. Mas você sabia que o Chaves também foi exibido na Itália? É o que vamos conferir, agora!

Cecco, “Un’autentica peste”

Assim como no Brasil, Chaves, quer dizer… Cecco, estreou em meados dos anos 80. Isso acontece pelas barreiras de idioma, uma vez que, nos países latino americanos, não era necessário nenhum trabalho adicional ao exibir os episódios. Já dublado em italiano, o seriado estreou com o nome de Cecco della Botte no início da década de 1980, no Antennatre, uma emissora localizada na Lombardia.

No final dos anos 80, foi exibido na Rete A, uma emissora que foi fechada em 2005, e que agora se chama Rete All Music, com o nome de “Un’autentica peste”. Assim, seu nome foi uma adaptação para o nome original, El Chavo. “Chavo”, no México, é algo como “moleque” ou “menino”, no Brasil, elemento que Chespirito adorava brincar, por todos na vila chamá-lo apenas como “menino”, e nunca entregando seu nome.

Enquanto “Un’autentica peste”, o “segundo nome” do programa na Itália segue o formato de programas de TVs e filmes. Neste caso, o programa chamava “Uma autêntica peste”, se referindo ao fato do protagonista ser bem levado. Semelhante a casos no Brasil que teve, como exemplos, a série Punky, dos mesmos anos 80, chamada como “Punky, a levada da breca”, ou o desenho “Dennis, o pimentinha”.

O seriado foi bastante assistido na Itália, mas não chega nem perto do fenômeno cultural do Brasil. Por lá, a série foi exibida de maneira local. Nem todos podiam assistir aos episódios, e não houveram tantas reprises. Mesmo no Youtube, são encontradas poucos trechos dos episódios dublados em italianos. Embora, em cada um deles, sempre tenha comentários nostálgicos e bem positivos sobre o seriado.

Os moradores do “villagio” do Chaves

Os personagens do programa são velhos conhecidos do programa. Obviamente, suas únicas diferenças estão nos nomes, que, assim como no Brasil, tiveram pequenas adaptações aqui e ali.

O nosso Chaves, por exemplo, foi conhecido na Itália como Cecco, pois o termo “Chavo” em italiano, não funcionava. Foi dublado por Mino Caprio, ator e dublador italiano que, entre vários trabalhos, tem em seu currículo o Moe Szyslak de Os Simpsons, nas sete primeiras temporadas. Já a Chiquinha, por lá seguiu com seu nome original, Chilindrina. Foi dublada por Monica Ward, que também fez a voz da Lisa, no filme dos Simpsons.

Quico virou Chico. É interessante perceber que o Ch, tão comum nas obras de Chespirito, também formam muitas palavras em italiano, o que facilita a identificação. Giorgio Lopez, que também dublou o Sr. Miyagi em Karate Kid, deu voz italiana ao personagem. O eterno Seu Madruga, que no original era chamado de Don Ramón, se chama Sor Romeo na Itália, em outra adaptação. Foi dublado por Piero Tiberi, já falecido, mas que também deu voz a personagens em filmes como a trilogia de Superman, Scarface e Rocky III.

Já a Dona Florinda, se tornou Giulietta. Algo bem curioso, tendo em vista que neste contexto, Romeo (o Seu Madruga) e a “Julieta” Florinda não eram o par romântico do seriado. Mas de qualquer forma, é um nome italiano comum. Quem deu voz à personagem foi Liliana Jovino, que chegou a dublar uma novela brasileira: Dancin’ Days. O Professor Jirafales, se tornou o Prof. Cacciapalle. Foi-se a sua referência às girafas, por ser muito alto, e entrou no lugar um sobrenome ligado à nobreza italiana. Talvez para dar ao personagem o ar de “culto” que ele possui. Foi dublado por Michele Kalamera, que possui um currículo imenso em filmes, desenhos e até animes.

O Sr. Barriga se tornou Signor Baciccia, outro nome comum italiano, que foi incorporado ao personagem. Sua voz italiana não conta com registros, nos poucos lugares disponíveis. E por fim, a Bruxa do 71, que manteve seu nome, ficando conhecida como La Strega del 71. Mas curiosamente, na Itália, foi dublada por um homem: Francesco Vairano, que fez a voz de Severus Snape nos filmes de Harry Potter, e Gollum em O Senhor dos Anéis.

O menino do “barile” também fez história na Itália

Não há muito conteúdo em italiano, mas poucos trechos disponíveis no Youtube mostram um pouco de como eram a dublagem e exibição do seriado na Itália, com trilha sonora específica e tudo:

A dublagem italiana é um pouco diferente da brasileira. Enquanto no Brasil, a equipe de dublagem, liderada por Marcelo Gastaldi, escolheu um caminho de liberdade, experimentando frases, vozes e elementos para se adaptar ao público do país, na Itália, as vozes ficaram muito próximas das originais mexicanas.

Não há registros de reprises posteriores, e por causa disso, o seriado não tem o mesmo valor nostálgico e cultural na Itália, em comparação com nós brasileiros, e outros povos latino-americanos. Mas, com certeza, fez sua história no país, e conta com pessoas que guardam seus episódios com boas lembranças.