Imigração Italiana

Dia da Imigração Italiana: O legado dos italianos na cultura brasileira

Hoje, no dia 21 de fevereiro, comemoramos o Dia da Imigração Italiana. Este dia foi oficializado através da Lei 11.687, de 2 de junho de 2008, e celebra o rico legado que os italianos trouxeram para o Brasil, em diversos meios.

A imigração italiana ao Brasil teve início com a chegada dos primeiros italianos, que chegaram ao país na segunda metade do século XIX, durante a Unificação da Itália. Até a década de 1930, mais de um milhão de italianos viviam no Brasil, trabalhando nos mais diversos setores. A proximidade dos italianos com os brasileiros marcou de maneira profunda a nossa cultura, passando pelos alimentos, palavras, e até na economia.

Os italianos chegaram, incialmente, para trabalhar na lavoura, especialmente nas regiões sul e sudeste. O tempo foi passando, e muitos deles se instalaram nos grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro. Alguns deles, trabalhavam como gazeteiros, vendendo jornal. E um deles, Carmine LaBanca, criou uma pequena “banca” para vender seus jornais, e, “emprestando” seu nome, ofereceu um dos diversos legados italianos para o nosso dia a dia. Sim, a nossa banca de revistas tem este nome devido a este italiano que decidiu vender seus produtos de maneira criativa.

São Paulo, por sua vez, também conta com uma grande colônia italiana. A pizza, por exemplo, um alimento tão comum e querido no dia a dia dos paulistanos, teve suas primeiras unidades vendidas na cidade por volta de 1910, com a iniciativa de Carmino Corvino, o dom Carmenielo, que abriu sua cantina, hoje extinta, no bairro do Brás.

Como resultado, o Brasil é o país com o maior número de descendentes de italianos no mundo. São cerca de 30 milhões de brasileiros que contam com DNA de italianos que vieram para o Brasil há mais de cem anos atrás. Todos eles contam com direito à Cidadania Italiana, que você pode conhecer melhor sobre como obter a sua, através do conteúdo oferecido em nosso site.

O legado: muito trabalho, fé e gastronomia

Entre muitos elementos do legado italiano no Brasil, podemos destacar alguns. O primeiro, com certeza, é o trabalho. Muitos italianos, após trabalharem anos na colheita de café nas fazendas brasileiras, levantaram dinheiro o suficiente para comprar as suas próprias terras e, assim, também se transformarem em fazendeiros.

E, em uma época de expansão da indústria, famílias como Martinelli e Matarazzo se destacaram neste segmento, aumentando exponencialmente a economia nacional. Este fenômeno era mais comum no sudeste, especialmente em São Paulo. Enquanto isso, no sul, os italianos fortaleceram a região com o vinho. Com seus conhecimentos sobre a bebida, foram os pioneiros no cultivo da uva.

E, ainda falando em gastronomia, além do vinho e da pizza, os italianos também introduziram ao nosso cardápio iguarias como a macarronada, polenta, mortadela, salame, panetone, entre muitas outras comidas, sempre com boa procura, até hoje, em supermercados, restaurantes, cantinas e padarias.

Podemos mencionar também o sotaque e palavreado. É muito comum, em cidades no interior de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além de bairros paulistanos, como o Bixiga e a Mooca, encontrarmos pessoas que preservam até hoje, o jeito italiano de falar. Seja pelas palavras em si, ou pela forma, como a famosa maneira de “falar com as mãos”.

E, não menos importante, a fé. O Brasil foi, desde sempre, colonizado por católicos. Mas com a chegada dos italianos, além da expansão da religião católica, muitas de suas comemorações, como as festas de Nossa Senhora de Acheropita e de São Vito, seguem até hoje bastante populares entre devotos da fé católica.

Também podemos mencionar a colaboração italiana em nossa arquitetura, além da cultura, com forte influência na literatura, cinema, teatro e televisão. Amácio Mazzaropi, grande cineasta brasileiro, é descendente de italianos, assim como a família Fittipaldi, que através de Emerson Fittipaldi, levou o Brasil à conquista dos dois primeiros títulos mundiais para o país de Fórmula 1, além da primeira conquista brasileira nas 500 Milhas de Indianápolis.

Ayrton Senna, tricampeão mundial de Fórmula 1 e querido entre os italianos, também tem descendentes com o sangue italiano. Assim como Cacilda Becker, lendária atriz que muito fez pelo nosso teatro, a também atriz Bruna Lombardi, e humoristas, como Ary Toledo.

Eterna gratidão aos nossos antepassados italianos

Os italianos mudaram, para sempre, a história do Brasil. Seus valores, como a fé, a alegria e o trabalho, muito acrescentou no dia a dia dos brasileiros. São muitos os elementos no nosso dia a dia, que remete a costumes italianos. Até quem não tem descendência se sente “um pouco italiano”, com tanta influência deste povo trabalhador entre nós.

Por isso deixamos expresso aqui a nossa gratidão. Como descendentes, pelos valores ensinados, por nossos pais, avôs e familiares. E como brasileiros, por tanta coisa importante e interessante que foi introduzido e incorporado às nossas vidas.

Grazie a tutti.